NOVO EMPATE AZULINO PROVOCA FÚRIA EM SUA TORCIDA!

NOVO EMPATE AZULINO PROVOCA FÚRIA EM SUA TORCIDA!

Por Renneé Cardoso Fontenele

Parnaíba/PI

(POR MUITO POUCO, NÃO CAIRIA O ÚLTIMO INVICTO DO CERTAME, NO PISCINÃO!)

Parnahyba e 4 de Julho fizeram uma partida razoável no Piscinão, neste sábado (2), válida pela 6ª Rodada do Certame. Assim como as torcidas dos clubes de Teresina, a apaixonada torcida azulina está se distanciando do Tubarão. As duas vitórias anteriores (sobre o Flamengo, em Teresina, por 5 a 1 e sobre o Barras, no Jucão, por 3 a 2) não resgataram a confiança do torcedor azulino: a torcida ainda comenta a perda do título do primeiro turno e o empate contra a Sociedade Esportiva de Picos, este jogo pelo returno. 

Faltava, então, uma apresentação de gala, no Piscinão, a fim de retirar da memória do torcedor as duas piores atuações citadas. Eis que a oportunidade chegara. Desta feita, contra o 4 de Julho. Mas, o Parnahyba não mostrou porque estava ocupando a vice-liderança e, muito menos, razões que justificassem as duas últimas vitórias, fora de casa.

(MELHOR EM CAMPO, O 4 DE JULHO POR POUCO NÃO VENCEU O PARNAHYBA!)

No princípio da partida, na expectativa de vencer e convencer, o Parnahyba, por jogar em casa, não deteve o potencial de um goleador em campo: França, “o conhecido”! Como goleador é sempre perigoso, França mostrou em campo o que se faz quando se veste a camisa 9. Numa roubada de bola, logo na entrada da área, França bateu de pronto, num gol de bela feitura – era o gol do centroavante colorado, era o gol do goleador, como deve ser um camisa 9. No canto esquerdo do competente arqueiro azulino, França abria o marcador no Piscinão, aos (acreditem) 40 segundos de jogo. Lindo gol colorado, digno de um goleador. 1 a 0  4 de Julho!

Tentando o empate, e empurrado pela torcida, o Parnahyba foi ao ataque, sem objetividade, porém. Contudo, logo empataria, com o solitário Wanderley, cobrando pênalti, sofrido por Isac, o centroavante azulino que, ainda no Piscinão, diante da torcida, não mostrou a razão de sua contratação. 1 a 1 no marcador!

Jogando para frente, sentindo-se em casa, o 4 de Julho não poupou investidas, até chegar ao seu segundo gol, encerrando o segundo tempo, com o habilidoso Cleitinho, em chute que desviaria noutro jogador, tirando as possibilidades de defesa de Beto. 2 a 1 Colorado.

(PRESSÃO AZULINA E CONTRA-ATAQUE COLORADO, NO SEGUNDO TEMPO!)

Após as vaias da torcida pelo primeiro tempo, o Parnahyba retornou, para o segundo, com maior vontade, mais aguerrido, embora desarticulado. Algumas tentativas sem muito sucesso, marcaram o início da segunda etapa.

O Colorado, consciente de seu objetivo, e bem articulado – fruto da competência de Lira e Cleitinho, sem mencionar o oportunismo, a presença de área e a precisão no chute de França –, mantinha a partida sob controle, até que, no desespero (passado o blackout, e várias manifestações de indignação da torcida azulina), o Tubarão chegou ao empate, com Alessandro, num cabeceio certeiro no canto esquerdo do arqueiro Colorado. 2 a 2 no marcador.

A revolta da torcida azulina, pela má apresentação (sem desconsiderar os méritos colorados, que, em verdade, foram muitos), novamente no Piscinão, foi tamanha, que o gol de empate gerou uma manifestação jamais vista no Piscinão. Depois de “timinho”, “vergonhoso” e “olé”, foi a vez de “respeito”, em virtude do goleiro reserva do Parnahyba haver acenado para a torcida de forma obscena – estava formada a confusão! O goleiro mencionado ainda foi ao alambrado da geral, aumentando o tumulto!

Todavia, não houve jeito! As vaias aumentaram, as críticas foram explícitas e direcionadas, e a torcida ainda mais desacreditando…

2 a 2 o placar! Bom para o Parnahyba, pela tabela e, sobretudo, pela circunstância do jogo; ruim para o 4 de Julho, pelo maior volume de jogo e por deixar escapar três pontos preciosos, ao final do embate.

O Parnahyba, pela 7ª Rodada, jogará contra o Princesa do Sul, em Floriano, enquanto que o 4 de Julho receberá o Piauí, na Arena Colorada, em Piripiri.

Anúncios

3 comments

  1. Prú, irmão, me responde… o maior adversário dos nossos adversários não era o tubarão, mas a nossa torcida. Inflamada e apoiando os 90 minutos… jogadores crescendo mesmo sem tecnica apurada, partindo pra cima com toda a confiança q a torcida azulina transmitia. AGORA A TORCIDA TA TORCENDO CONTRA ? ASSIM NÃO FICARIA MAIS FÁCIL PRO VISITANTE ? NÃO ESTÁ NA HORA DESTA DIRETORIA MOBILIZAR A TORCIDA PARA APOIAR O TUBARÃO OS 90 MINUTOS E PERTUBAR O ADVERSÁRIO ??? 1ªobs.: este tecnico, me parece, ser fraco em matéria de conhecimento… fraco de gabarito ! não me passa confiança !
    2ªobs.: a impressão q dá é q temos um ataque forte, mas nenhum meia armador, habilidoso, q leve o time no toque de bola, decisivo… a outra impressão q tenho é q nao temos lateral esquerdo…

    BJÃO MEU IRMÃO…

    • Exatamente, irmão!
      O Tubarão é vulnerável no meio de campo, por não haver um homem de ligação. O Totonho estava fazendo tal papel, mas, infelizmente, ainda em recuperação, não está podendo atuar.

      O Armeiro (lateral esquerdo) é razoável e, vez por outra, deixa a desejar. Pra que se tenha uma idéia, o Parnahyba não constrói uma jogada pelo meio de campo (por ausência desse jogador de ligação), criando, então, pelas laterais, sobretudo pela direita, com Jorginho. Na esquerda é quase sempre jogada “perdida” ou sem perigo nenhum.

      O Batista (Técnico), a meu ver, é bom, mas necessita ser mais rígido com o plantel.

      O ataque está com jogadores de qualidade, porém desarticulado em campo.

      Quanto à torcida, é bem verdade que a torcida do Tubarão é exigente, e muito. Agora, eu compreendo a revolta e concordo com ela. Observe: a perda do título do primeiro turno no Piscinão (pela primeira vez o Parnahyba perde um título de turno fazendo o segundo jogo em casa) foi um baque muito grande, não pela qualidade do adversário, mas pela apresentação do Parnahyba – parecia que não estava disputando uma final, sem falar dos gols perdidos, coisa que quem assistiu diria “nem eu perdia esse gol!
      Depois, o que aconteceu: jogo contra a SEP, pelo returno, e outra a presentação abaixo de qualquer partida horrível. Na sequência, jogando, agora, contra o 4 de Julho, o Tubarão não produziu aquilo que deveria, quando se joga em casa. Então, a torcida já impaciente, e com razão, começou a ficar revoltada. Sem falar que, quando o Parnahyba empatou o jogo, no desespero, o goleiro reserva do time “apontou o dedo” para a torcida, chegando a ir ao alambrado da geral, desafiando os torcedores, que ali cobravam uma melhor apresentação.

      Eu estava (como sempre) no Estádio, e me perguntava: como é que um time quer ser campeão, se não chuta uma bola ao gol do adversário? O França, do 4 de Julho, mostrou o que é ser um centroavante, com a sua presença na área, o seu oportunismo e seus chutes e cabeceios precisos, e olha que ele estava muito marcado.

      Eu, como torcedor, diria o seguinte:a torcida do Parnahyba deixou de ser passiva, vibrando quando há necessidade, criticando, quando preciso. A postura do Parnahyba, ao jogar em casa, deve mudar, apresentando, acima de tudo, muita vontade, coisa que só acontece quando está em desvantagem, com exceção de alguns jogadores, claro! Esses jogadores que fazem “corpo mole” devem sair. É isso!

      Um abração, irmão!

  2. ok irmão… então vamos esperar q este time mostre mais vontade dentro do piscinão para q a torcida volte a apoiar e q as carniças q vestem o manto, saiam pela porta dos fundos… bjão e sorte pro tubarão ! obs.: saudade de tomar uma contigo, seu canalha !

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s